Para conhecer um pouco mais do ECOAR

Dois vídeos que podem ajudar a conhecer um pouco mais sobre o trabalho que o Ecoar desenvolve:

Um mais antigo, de outubro de 2009, mostra uma entrevista com Miriam Duailibi, feita pela repórter Giovana Batistella no quadro “Espaço Perfil” do programa Sentidos, produzido pelo núcleo de TV da Avape, em parceria com o Canal Net Cidade, da operadora de TV a cabo NET.
Miriam fala sobre a fundação do Ecoar, sobre os trabalhos desenvolvidos pelo Instituto, explica o que é sequestro de carbono e diz quais atitudes devemos tomar para adotarmos um modelo de desenvolvimento sustentável e fazer com que a temperatura no planeta se estabilize.

O segundo vídeo é mais recente, de junho de 2011. Exibido no programa Seu Jornal da TVT, o vídeo mostra um pouco do trabalho desenvolvido pelo Ecoar com os catadores da Cooperativa de Reciclagem Chico Mendes. Além da capacitação socioambiental, temas como “união, autonomia e democracia” são abordados no curso. Interessante notar, neste vídeo, durante a entrevista com a catadora Celiane (2:31), os números que aparecem no quadro fixado na parede, informando sobre a quantidade de toneladas recicladas, ano a ano.
Logo em seguida, Miriam é entrevistada e fala sobre os cursos e trabalhos desenvolvidos pelo Ecoar em São Paulo, no Brasil e no exterior (mais de 70 projetos sobre questões socioambientais, climáticas e biodiversidade) e da necessidade de se adotarem políticas públicas de educação e campanhas de massa para orientação sobre o que é reciclagem e como reciclar.

TVT: Você acha que nós estamos ainda a tempo de salvar este nosso querido planeta?

Miriam: Olha, eu espero que sim. Pelo menos, eu vivo acreditando nisso. Isso é o que motiva a gente. É saber que a gente pode fazer alguma coisa e que a gente faz a nossa parte. Embora, nos últimos anos, a situação tenha se agravado muito. Com o aquecimento global e as mudanças climáticas, nós vivemos hoje, pela primeira vez na história da humanidade, nós estamos vivendo uma era de extrema dificuldade com um desafio que eu acho que é o maior que a humanidade já enfrentou. Não tem desafio maior, nós nunca enfrentamos nada tão grave como o (desafio) de vencer esse fio da navalha, ultrapassar esse fio da navalha na qual estamos vivendo, mudando profundamente as nossas práticas e os nossos hábitos para que dê tempo da gente manter a nossa continuidade, de nós podermos continuar a caminhada enquanto espécie, neste planeta, com qualidade de vida.

“As demais espécies produzem resíduos. Mas, na natureza, os resíduos de uma espécie servem de alimento para outras. Nós somos a única espécie que produz lixo. Produzimos coisas que não servem para nada.”

Miriam Duailibi

Nota: A Cooperativa de Reciclagem Chico Mendes está localizada na Rua Cinira Polômio, n.º 369, Bairro Promorar Rio Claro/São Rafael, na Cidade de São Paulo.

Cidadãos do Planeta

A palavra cidadania, de acordo com o dicionário, pode ser resumida em “conjunto de cidadãos, com direitos e deveres, pertencentes a uma sociedade”. Diferentemente disso, o tema é muito mais denso e complexo, uma vez que envolve a prática desses elementos no nosso dia a dia.

Cidadania é algo que norteia nossas vidas desde o momento em que nascemos até o dia que morremos. Por exemplo, quando protegemos o patrimônio público, estamos exercendo o nosso dever de cidadão. A atitude contrária, por parte de alguns que destroem a propriedade de uso comum, faz com que seja praticado um ato de anticidadania. Sendo assim, os problemas sociais do planeta não são resultado da falta de informação, mas sim de falta de informação que exigem mudança de comportamento e valores.

O ato de respeitar os direitos do próximo exerce um papel fundamental na construção de um planeta melhor. A mobilização, por parte dos mais esclarecidos, é de total importância. As ONG’s poderão dar sua contribuição, por meio do ensino, àqueles que mais necessitam. Além disso, é importante estimular a participação da comunidade em projetos sociais e educá-la para que possa entender que é através de participação que se formam cidadãos conscientes.

Não existe mudança sem participação, e a participação só existe pela educação. Não basta que nos tornemos mais conscientes dos problemas sociais. É essencial que nos tornemos, também, mais ativos e participativos, pois as atitudes que hoje tomamos ajudarão a formar os futuros cidadãos do mundo.

O ato voluntário exige mobilização contínua. Por isso, é muito importante que cada um de nós exerça o seu papel de cidadão do planeta.

Instituto Ecoar para a Cidadania