“Twittaço” do Greenpeace

A ONG ambiental Greenpeace se reúne na manhã desta quinta-feira (24) em Brasília para cobrar a votação do Projeto de Lei 630/03, conhecido como “Lei de Renováveis”. A legislação está parada há dois anos no Congresso.

O projeto foi criado tendo como objetivo o desenvolvimento sustentável brasileiro. Por isso, inclui o investimento em tecnologias de produção de energia limpa, como solar, eólica e biomassa. A intenção é descentralizar a produção renovável das usinas hidrelétricas, que são atualmente a principal fonte brasileira, mas que causam grandes impactos ambientais nas regiões onde são instaladas.

O Greenpeace decidiu se manifestar por acreditar que essa lei é de extrema importância para que o Brasil cresça economicamente sem causar danos ao meio ambiente. O potencial brasileiro é inegável e os ativistas acreditam que o país possa se tornar referência para outras nações com um incentivo desse tipo.

O problema é que a legislação está parada no Congresso há dois anos, sem que haja interesse governamental em colocá-la em vigor. Para chamar a atenção dos governantes a ONG se manifestará pessoalmente, mas todos os outros ativistas e pessoas interessadas no futuro do Brasil poderão colaborar através do twitter.

Com o chamado “tuitaço” o Greenpeace pede para que a população envie mensagens através da rede social, pedindo urgência na votação da Lei de Renováveis, com a expressão #energialimpa diretamente para o presidente da Câmara dos Deputados, Marcos Maia.

O protesto pode ser acompanhado ao vivo através do site do Greenpeace.

Fonte: CICLOVIVO

Coca-Cola “REIMAGINE – Recycle Center”

A Coca-Cola, maior marca de bebidas do mundo, lançou um projeto piloto para reaproveitar todo o material produzido e descartado a partir de seus produtos. O refrigerante feito pela empresa é consumido por bilhões de pessoas em todo o mundo, fator que aumenta ainda mais a quantidade de material descartado em aterros ou lixões, causando um enorme impacto ambiental.

Leia mais aqui.

Fonte: CICLOVIVO 

Carbono & Metano

O documentário Carbono & Metano, voltado para o tema do aquecimento global, acaba de ser lançado pela PH Multivisão e Vídeo. Destinado, preferencialmente, a crianças e jovens de 10 a 15 anos de idade, aborda, de forma lúdica e descontraída, temas, aparentemente, de difícil compreensão, como efeito estufa e mudanças climáticas. Incentivado pela Lei Rouanet e patrocinado pela Tetra Pak, o filme tem cerca de 50 minutos e é dividido em três episódios, facilitando a utilização didática.

O filme conta a história das personagens Carbono e Metano e suas tentativas de “dominar o mundo” por meio do efeito estufa e do aquecimento global. Em estilo de gibi de super-heróis, o média-metragem trata de um dos maiores problemas da atualidade: a sustentabilidade, ou seja, o equilíbrio entre desenvolvimento econômico, justiça social e respeito ao meio ambiente.

Cientistas, professores, ambientalistas, pedagogos e outros especialistas participam do filme, emitindo opiniões embasadas sobre os temas abordados. Entre eles estão Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Ministério da Ciência e Tecnologia, Virgilio Viana, da Fundação Amazônia Sustentável, e Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, superintendente de conservação do WWF-Brasil.

Carbono e Metano foram humanizados e o resultado é que suas personalidades são espelhos de seus traços químicos. Carbono é mais encorpado (com maior peso atômico), enquanto Metano é mais franzino. Isolados, são afáveis e amigáveis – na origem, foram responsáveis pelo surgimento da vida. Reunidos em bandos, descontrolados, podem se tornar agressivos e antissociais, formando verdadeiras “gangues”. Representam, respectivamente, 80% e 15% das emissões de gases de efeito estufa.

O filme está disponível no Youtube, em cinco partes. A primeira parte pode ser vista abaixo, e as outras podem ser encontradas no link  http://www.youtube.com/user/PHMultivision.

Fonte: WWF

Ecodica: saquinho de jornal

Vi esse vídeo no site do CICLOVIVO.
Achei a idéia muito boa.
Um saquinho de jornal super útil para substituir as sacolinhas plásticas na lixeira. Veja como é simples e rápido de fazer. A idéia é do De Verde Casa, um blog de dicas ecológicas e sugestões de mudanças de hábitos do dia a dia. Saiba mais em http://www.deverdecasa.com/.
E não é que ficou bem feito, mesmo?

Hora do Planeta 2011

 

A Hora do Planeta, conhecida globalmente como Earth Hour, é uma iniciativa da Rede WWF para enfrentar as mudanças climáticas.

Desde a sua criação em 2007, como iniciativa de uma única cidade (Sidney), a Hora do Planeta tornou-se um espantoso movimento voluntário global onde centenas de milhões de pessoas, de todos os continentes, se juntam para reconhecer a importância de proteger o planeta.

Inspirada em milhares de histórias de pessoas que levam suas ações além do simbolismo de apagar as luzes por uma hora, a Hora do Planeta 2011 desafia indivíduos, empresas e governos, em todo o mundo, a acrescentarem mais ao apagão anual e mostrarem de que forma criarão medidas, no seu dia-a-dia, para proteger o Planeta.

Em fevereiro, no site earthhour.org, vai ser lançada uma plataforma que permitirá aos participantes partilhar histórias do que fizeram ou planejam fazer para marcar a diferença, mostrando que não importa quão grandes ou pequenas as nossas ações sejam, mas, antes, o que essas ações podem representar.

A Hora do Planeta 2010 foi a maior ação voluntária contra o aquecimento global da nossa história, com 128 países e mais de 4.500 cidades, em todo o mundo, apagando suas luzes por esta causa.

A Hora do Planeta 2011 verá, novamente, centenas de milhões de pessoas unirem-se para celebrar um compromisso inequívoco com o planeta, desligando suas luzes por uma hora e  irem além dessa hora. A contagem regressiva já começou.

Esta iniciativa tem visto alguns dos monumentos e paisagens mais conhecidos do mundo, incluindo a Cidade Proibida, Torre Eiffel, o Palácio de Buckingham, a Golden Gate Bridge, Table Mountain, o Cristo Redentor, Ponte 25 de Abril, Cristo Rei e Sydney Opera House desligarem as suas luzes numa celebração global da única coisa que nos une a todos – o Planeta Terra.

Na Hora do Planeta 2011, pede-se ao mundo que:

Desligue as luzes pela Hora do Planeta, às 20:30 de Sábado, 26 de Março de 2011, celebrando o seu compromisso com o planeta e juntando-se a milhões de pessoas em todo o mundo;
Partilhe histórias e ações que beneficiam o planeta;
Vá para além da hora – encetando ações sustentáveis numa base diária.

“O crescimento da Hora do Planeta nestes quatro anos veio provar que centenas de milhões de pessoas querem fazer mais para proteger seu planeta”, afirmou Andy Ridley, co-fundador e diretor executivo da Hora do Planeta.

“Quer se trate de uma criança que seja capaz de, com o seu testemunho, mudar uma sala de aula, ou de um presidente de um país que desafia os seus cidadãos para esta mudança, indivíduos, organizações e governos em todos os lugares do mundo são convidados a apagar suas luzes na Hora do Planeta 2011 e a comprometerem-se com iniciativas para além da hora”, disse Andy.

Então, é isso aí, galera! Vamos reunir a turma, convocar os familiares e amigos para juntos organizarmos um evento para ficar na história!

Divulgue e participe desse ato.

Veja o vídeo oficial da campanha aqui. 

 

Fonte:    Bio-Ideias     e     WWF (Br)      e     WWF (Pt)

Xingu Vivo » CONVOCATÓRIA – 8/02 GRANDE ATO EM BRASÍLIA CONTRA BELO MONTE

Xingu Vivo » CONVOCATÓRIA – 8/02 GRANDE ATO EM BRASÍLIA CONTRA BELO MONTE.

Grande ato em Brasília contra Belo Monte

Contra as mega-hidrelétricas na Amazônia!
Mais de meio milhão de pessoas já assinaram as petições contra Belo Monte, que serão entregues no Palácio do Planalto!

Na terça-feira, dia 8 de fevereiro, centenas de indígenas, ribeirinhos, ameaçados e atingidos por barragens, lideranças e movimentos sociais da Bacia do Xingu e de outros rios amazônicos estarão em Brasília para protestar contra o Complexo Belo Monte e outras mega-hidrelétricas destrutivas na região. Também irão exigir do governo que rediscuta a política energética brasileira, abrindo um espaço democrático para a participação da sociedade civil nos processos de tomada de decisão.

Convocamos todos os nossos parceiros e amigos, e todos aqueles que se sensibilizam com a luta dos povos do Xingu, a se juntar a nós, porque, mais que o nosso rio, está em jogo o destino da Amazônia.

A concentração para o ato ocorrerá às 9hs, no gramado em frente à entrada do Congresso Nacional. Após o protesto, uma delegação de lideranças entregará à Presidência da República uma agenda de reivindicações e as petições contra Belo Monte.

Participe, e ajude a convocar!

Movimento Xingu Vivo para Sempre – MXVPS
Conselho Indigenista Missionário – Cimi
Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB
Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – COIAB
Instituto Socioambiental – ISA
AVAAZ

 

Seminário sobre a questão indígena em Belo Monte



Acontece na próxima segunda-feira, dia  07 de fevereiro, no Auditório da Reitoria da Universidade de Brasília (UnB), o seminário A Hidrelétrica de Belo Monte e a Questão Indígena, uma iniciativa da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e a Fundação Darcy Ribeiro.

Planejada para ser instalada em uma das áreas de maior diversidade cultural e biológica do país, a hidrelétrica de Belo Monte, além de inundar uma área de mais de 600 km2, promoverá até 80% de redução da vazão de um trecho de mais de 100 km do rio, denominado Volta Grande do Rio Xingu, atrairá uma população estimada em 100 mil pessoas e causará o deslocamento compulsório de cerca de 40 mil. Nesta área, residem os Arara, os Juruna, os Xikrin e milhares de famílias ribeirinhas, indígenas e não-indígenas.

Ainda no Médio Xingu e seus tributários, residem os Parakanã, os Asurini, os Kararaô, os Araweté, os Arara, os Xipaia e Kuruaia e centenas de famílias que habitam as Unidades de Conservação que conformam o corredor ecológico do Xingu (Resexs, APA, FLONA, ESEC, PARNA). Mais próximos das cabeceiras do rio, estão os Kayapó do Sul do Pará, os Metuktire, os diversos Povos do Parque Indígena do Xingu e grupos indígenas voluntariamente isolados, que transitam na fronteira dos Estados do Pará e Mato Grosso.

Estarão reunidos, entre outros, representantes dos povos indígenas (Cacique Raoni Metuktire, Megaron Txukarramãe, Yabuti Txukarramãe e Josinei Arara), dos movimentos sociais (Antônia Melo da Silva) e do Ministério Público Federal (a subprocuradora geral da República, Deborah Duprat), além dos antropólogos João Pacheco de Oliveira Filho (Museu Nacional), Gustavo Lins Ribeiro (UnB), Bela Feldman-Bianco (Unicamp), Sonia Magalhães (UFPA) e Andréa Zhouri (UFMG).

Também foram convidados a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e os presidentes da Funai e do Ibama, além do público interessado.

A abertura do evento será às 9hs, seguida do debate Perspectivas indígenas, dos movimentos sociais e de especialistas sobre Belo Monte.

Às 14h30, é a vez do debate Problemas e dilemas de um grande projeto amazônico em debate.

 

Fonte: Blog do Claret         e     XinguVivo